quarta-feira, 3 de agosto de 2022

PROPOSTA INDECENTE OU O QUE DIZIA CACILDA BECKER...

Por Ademario Ribeiro

- Alô, professor, tudo bem?

- Tudo. Quem fala?

- Aqui é da Escola X. Da TV Ene. Da Universidade B. Da Secretaria C...

- Pois não. Que deseja?

- Professor, quem nos indicou o senhor foi Fulano(a) de tal que tem uma grande admiração por sua Arte, por sua Poesia, por seu Teatro (por sua... por seu...).

- Muito grato! Qual o assunto?

- Vai ter um congresso, um seminário, uma festa em comemoração a ou (ao) dia da ou de e gostaria de convidá-lo para dar uma palavrinha aqui para nossos...

- Quais condições vocês oferecem?

- Não estou entendo... O senhor vem (apenas) para dar tua palavrinha e pronto! Não está bom para você mostrar o teu trabalho?

- E o meu translado de ida e volta? O material que produzi em anos de pesquisa e investimentos pessoais e que vou adaptar para esse momento? Vocês comprariam alguns dos meus livros para acervo da biblioteca de vocês e ou para sortear com os presentes?

- Ah, essa parte é complicada, professor. Não temos recursos para isso!

- Oh, querida, sou autônomo. Meus trabalhos não têm patrocinadores. São investimentos pessoais. Tiro da carne. Tiro da minha família para produzi-los...

- Mas é só uma palavrinha! Que custa?!

- Mas, vocês não têm verbas para essas ações?

- Ah, isso é complicado na hora de prestar contas!

- Não podem fazer uma “vaquinha” junto com teus colegas para custearem pelo menos o transporte e a compra de alguns exemplares do meu último livro?

- Não posso pedir isso à eles!

- Mas pode me pedir que me desloque de onde estou por conta própria, deixe de trabalhar para meu sustento e da minha família e trabalhe de graça para vocês que são uma instituição que pode pagar esse serviço cultural...

- Não é um serviço que queremos: é só uma pecinha de teatro... uma intervençãozinha, uma vivenciazinha, um recitalzinho, uma performancezinha, uma...

- O que crio, produzo, senhor(a) não é assim. Pelo contrário: é fruto de trabalho de estudo e pesquisa. Não tive ou tenho apoio financeiro de nada e nem de ninguém. Os temas que trabalho sempre foram antecedentes às leis, às políticas públicas ou às recomendações de organizações internacionais de fomento à Educação, Educação Étnico-raciais, Cultura, Meio Ambiente, Direitos Humanos, Ciências, Povos e Comunidades Tradicionais, etc.

- Foi por isso mesmo que te convidamos para essas ações...

- Por que não colocam essas ações no plano de trabalho de cada ano? Por que não contratam ações como essas que está me solicitando? Pode ser através de uma MEI, ME, EIRELI, ONG, Associação, por exemplo!

- Não trabalhamos assim!

- Disseram que o senhor tinha um trabalho admirável!

- Mas quem trabalha deve ter o direito de usufruir por seu ofício. Por seus esforços, talento. Algo semelhante ao ditado: “Aranha vive do que tece”.

- ... Porém só estamos te convidando para dar uma palavrinha e você aproveita e divulga teu trabalho! Não vejo nada demais!

- Vejo de menos, inclusive. Observemos: o obstetra, o gari, o policial, o político, o motorista, a moça do caixa do supermercado... esses têm o seu salário, gratificação, pró-labore, etc. para trabalharem... Por que comigo e com meus colegas temos que receber proposta como essa?

- Ah, mas você pode vir para divulgar o teu trabalho, já disse, aliás, nem sei se pode usar o espaço daqui para fazer merchandising!

- Querida, desde os anos 70 que eu atuo nessas áreas que você bem mencionou. Eu não sou emergente! Sou um sobrevivente e como todo mortal que se preza, pago impostos, tributos, taxas, faturas (essas batem sempre à minha porta e não quer "uma palavrinha" e eu que não pague em dia)!

- Ah, todavia o senhor não é famoso, consagrado, não é nenhuma celebridade...

- Não sou e do jeito que você me quer na tua instituição, eu nunca sairei de onde estou, não pagarei minhas contas e nem vou sobreviver! Cacilda Becker dizia: “Não me peça para dar de graça a única coisa que tenho para vender”.


27 comentários:

  1. Querido parente.Eis um assunto que não se esgota.Ha uma lei básica de reciprocidade entre o tomar.Ninguem deve dar além do que pode e deve tomar apenas o necessário...

    ResponderExcluir
  2. Todos precisam compreender as colaborações numa perspectiva dadivosa, em que é justo que se retribua por qualquer contribuição. Já estive na sua condição e sei como é difícil lidar com a lógica mesquinha do capitalismo no campo da cultura

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente aqueles que deveriam valorizar a pesquisa, por compreender como se produz conhecimento científico em qualquer área do conhecimento, acabam nos violentando.

    Um pesquisador, agora precisa ser "celebridade" para ser valorizado?


    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela competência e clareza na análise de uma situação que são impostas pela ausência de alteridade.

    ResponderExcluir
  5. Muito bem lembrada a situação. Torço pela mudança. Quem sabe? Muita força pra continuar em seu caminho de resistência. Muito carinho e solidariedade. Um abraço amigo, Ademario.

    ResponderExcluir
  6. Certíssimo! Chega de acharem que arte não é profissão

    ResponderExcluir
  7. Parabéns! O povo acha que arte não é profissão.

    ResponderExcluir
  8. Márcio Paro Meriri3 de agosto de 2022 14:10

    Caríssimo amigo Ademario, a maioria das vezes em que sou convidado passo por essa mesma situação. Independente de textos, livros, composições, canções e interpretação. Ainda existe o lado cultural e espíritual. Porém tenho de mostrar o meu trabalho, ser remunerado seria uma próxima meta. É essa a compreensão que tem a maioria das instituições de ensino!!!

    ResponderExcluir
  9. Parabéns amigo pela escrita .aliás ua profunda reflexão para a valorização daquele que pesquisa e contribui de maneira voluntária para a formação de outros

    ResponderExcluir
  10. Não se deve dar pérolas aos porcos! Foi a recomendação de um sábio muito antigo, chamado Jesus Cristo. Parabéns, por tanta paciência, meu amigo!

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente a arte, a pesquisa, são relegados a um plano menor. O tempo dispendido.para se elaborar um trabalho de qualidade para não é valorizado. Digamos não à "palavrinha", à "performancezinha". Valorizemos o.nosso trabalho.

    ResponderExcluir
  12. Um profissional dedicado com pesquisa realizada, formação acadêmica, produz conhecimento científico é detentor de saberes ancestrais, com trabalhos publicados,
    é convidado à realizar palestras gratuitas porque pessoas desprovidas de noção profissional acreditam que devem usar seus conhecimentos, sua performance e a excelência do seu trabalho sem a devida gratificação. Lamentável a atitude e indecência das propostas...

    ResponderExcluir
  13. Queridíssimas Amigas e queridíssimos Amigos: Liana, Ivan, Curandeira Preta, Eliane, Waniamara, Kelcilene, Márcio, Ambioverde, Jumara, Antônia e alguns que não puderam se identificar, estou muito feliz com retorno, carinho e abraço de vocês! Sinto-me mais leve e fortalecido para continuar! O que fizeram me comovem e me estimulam! A Luta Continua!!!

    ResponderExcluir
  14. É de extrema importância que todas e todos que produzem cultura, saiba respeitar o seu ofício de maneira profissional e íntegra. Quando alguém se submete a não ser respeitado por seu trabalho, recebendo pelo mesmo, reforça a manutenção de absurdos como este. Então, que cada um de nós saiba se dar o devido valor, pois esperar isso desta sociedade, é o mesmo que esperar a galinha criar dentes.

    ResponderExcluir
  15. O professor e amigo Tierre Jesus pediu-me pelo Whatsapp que postasse aqui o seguinte: "Muito bom!
    Se nós não nos valorizarmos, quem o irá fazê-lo?".

    ResponderExcluir
  16. Parabéns por sua dedicação é muito admirável! Compartilhar seu conhecimento e sua escrita conosco é algo enriquecedor!

    ResponderExcluir
  17. Sou Fotógrafa profissional, estudei e paguei vários cursos no SENAC para isso, passo pelas mesmas investidas que o amigo. As pessoas acham que não é nada demais fazer uma foto e dar para elas. Dar? nananinanão! Se me contratar eu faço, se não contratar meu serviço não sejam inconvenientes e chatos, tenho contas a pagar, sou gente como qualquer outra pessoa, preciso sobreviver 😎

    ResponderExcluir
  18. A amiga Lígia Rodrigues de Vasconcelos, em mensagem pelo Whatsapp pediu-me que postasse aqui o seu comentário: "Como eu me identifico!
    Certo período eu trabalhei em uma ONG, fazendo apresentações teatrais. O cachê era baixo, mas precisava tanto de alguma coisa... aceitei. Estudar o tema, criar o texto, confeccionar adereços, figurinos, investigar a maquiagem ideal. Ensaiar, ensaiar, ensaiar. Oferecer aos outros o melhor que podemos.
    Sessões feitas em fábricas, escolas e feiras. Paguei pelo transporte e em alguns lugares, pela minha alimentação.
    Na hora do pagamento: você tem que fazer pela causa, e não pelo dinheiro!
    Nunca recebi o pouco que me prometeram.
    Parente querido, isso faz tempo, mas me deixou mais atenta a desumanição...
    Que difícil ser artista!".

    ResponderExcluir
  19. A amiga Lígia Rodrigues de Vasconcelos em mensagem pelo Whatsapp pediu-me para postar aqui seu comentário abaixo: "Como eu me identifico!
    Certo período eu trabalhei em uma ONG, fazendo apresentações teatrais. O cachê era baixo, mas precisava tanto de alguma coisa... aceitei. Estudar o tema, criar o texto, confeccionar adereços, figurinos, investigar a maquiagem ideal. Ensaiar, ensaiar, ensaiar. Oferecer aos outros o melhor que podemos.
    Sessões feitas em fábricas, escolas e feiras. Paguei pelo transporte e em alguns lugares, pela minha alimentação.
    Na hora do pagamento: você tem que fazer pela causa, e não pelo dinheiro!
    Nunca recebi o pouco que me prometeram.
    Parente querido, isso faz tempo, mas me deixou mais atenta a desumanição...
    Que difícil ser artista!".

    ResponderExcluir
  20. Disse tudo! A cultura é vista como uma ponta, algo menor para entreter a galera. Coisa de quem não tem o que fazer, só faltam dizer. Pesquisa, estudo etc tudo isto é balela! Coisa de preguiçoso. Resta saber por que ainda nos procuram... será que esta atividade "preguiçosa" dá algum sentido às suas vidas?

    ResponderExcluir
  21. É isso, meu amigo. Artista, professores... Não podemos acostumar a trabalhar de graça!

    ResponderExcluir
  22. O profissional de educação é mais um a ser explorado pelo Estado, tão carente de verbas e tão pobre de projetos de ações eficientes no ensino, meu caro Ademario. A profissão é daqueles que complementam salários, ou seja, bico.
    E nem bico se faz gratuitamente.
    Bico, se cobra mais caro, porque se faz vez por outra.

    ResponderExcluir
  23. É uma situação que parece não se esgotar nunca. De fato, é um misto de descalabro e constrangimento. Eu na condição de professora de escola pública, já me vi nessa situação, na qual, tenho vontade, desejo pedagógico de trazer a participação de artistas, pesquisadores, para contribuir com o aprendizado dos
    nossos educandos, mas nos falta verba, porque o sistema não valoriza tais práticas.

    ResponderExcluir
  24. Queridas Pessoas: Jéssica, Lílian, Jaime, Tierre, Lígia e as que ficaram "anônimas", agradeço terem arrecadado um tempo e contribuído aqui com seus preciosos comentários! Que "amanhã seja outro dia!".

    ResponderExcluir