quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Alabê Ôni na Mostra Sonora Brasil numa noite memorável em Salvador

In memoriam ao Rei de Congo - em virtude de sua visão - como reza a lenda - farei aqui algumas referências a pássaros. Porque: Richard Serraria, Mimmo Ferreira, Pingo Borel, Kako Xavier, Álvaro Di Amaro e Mateus Aleluia - são pássaros com sua simbiose de músicos, tocadores, menestréis, poetas, pesquisadores, etc. etc.
Primeiro voo – do encontro de pássaros
Foi mesmo uma noite de encontros e reencontros de raízes e artistas entre si e com o público. A turma que me acompanhava formada por colegas da Secretaria Municipal de Cultura de Simões Filho e de  artistas, foi gentilmente recepcionada por funcionários do Teatro do SESC-SENAC e, particularmente, pela Poliana Bicalho – produtora cultural desta instituição.

O Grupo Alabê de Ôni acolhe o Álvaro Di Amaro e juntos conversaram sobre seus legados e semelhanças, amizades – inclusive, com os griôs Shiley Amaro, mãe do Álvaro, Dilermando Martins e dentre outros – sobre o saudoso mestre Batista.
Na culminância do show os “nobres tamboreiros”, como eles traduzem do yorubá a expressão “Alabê Ôni”, convidam-no ao palco e este, o Álvaro, como um pássaro entre pássaros - como profetizou e sorriu o Rei do Congo, alçou seu voo e juntos voaram com seus tambores sob a reinado do Grande Tambor: o Tambor de Sopapo. Quanto ao Álvaro, sim, ele tocou como seu tambor de sopapo montado pelo mestre Batista numa oficina aqui em Salvador!

Segundo voo – do reencontro e da ternura
Nesta noite tive mais uma grata alegria ao reencontrar com o mestre Mateus Aleluia, compositor e cantor - com habituais simpatia e generosidade, fraternal e terna – que nos confortam – afinal, sermos acolhidos com humanidade, com serenidade e civilidade - tem sido tornado primazia. Isso, de fato – para mim, é que é fidalguia, nobreza. Podemos sim, distribuir ternura e se possível, sermos retroalimentados. Reencontrei também, a estimada companheira ambientalista, Tereza Brandão, bióloga do COA – Centro de Observação de Aves e do Movimento Popular de Canudos, que nesse outubro faz trinta anos. Uma bandeira do Padre Enock, Fábio Paes, Xangai, Roze, Dércio Marques (que partiu sem combinar!), Elomar e tantos outros menestréis, poetas, historiadores, pesquisadores.

Terceiro voo – do acolhimento e programação
Como afirmamos acima, a Poliana Bicalho foi uma anfitriã que em nome do SESC-SENAC recepcionou a todos com fundamental conhecimento acerca da obra monumental que esta instituição desenvolve no país, com ênfase para o Projeto de Mostra Sonora Brasil – Formação de ouvintes musicais, e, destacou sobre os grupos que que se apresentaram ao longo do mês de julho, 27 – Raízes do Bolão (Amapá), 29 – Raízes do Samba de Tócos (Bahia), 30 – Samba de Cacete de Vacaria (Pará), 31 – Alabê Ôni (Rio Grande do Sul).

Quarto voo – o voo que tem que continuar a bater asas
Em nós, enquanto artistas, educadores, produtores, sonhadores e também gestores públicos –cresce fundo e cada vez mais a responsabilidade e necessidade urgente de que artistas e grupos culturais como os mencionados acima -, possam criar sem tantos obstáculos e sacrifícios suas obras e que elas possam ser visibilizadas, circuladas pelo Brasil afora com dignidade e que ao povo compartilhemos a sua fruição, degustação, absorção, audição, aquisição, etc.

Como dissemos na postagem anterior -, foi mesmo uma noite de celebração! Que fique o tambor da nossa consciência e ação a percutir na Memória da Cultura Brasileira, brasileiramente multicultural, linda lindíssima!
Este voo é urgente que alimentemos mais o seu bater de asas.
Viva a Cultura!!!
Viva a Cultura Popular!!!
 
 






3 comentários:

  1. VIVA A CULTURA!Nubia.

    ResponderExcluir
  2. O Grupo Alabê Ôni nos escreveu pelo Facebook: "Obrigado Ademario Ribeiro, arriba sempre!".

    E eu de cá respondo numa folha zabumbada d'Ossae:
    - Malungos, enquanto azeite houver na minha humilde cumbuca e lamparina, estarei compartilhando meu fiozinho de lume.

    Awere, Axé, Aleluia!

    Viva a Cultura Popular e Étnica!

    ResponderExcluir
  3. Extremamente interessante uma aula cultural :)

    ResponderExcluir